segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Show completo do Godsmack pelo festival Pain In The Grass

15/09/2014
 Confira o grande show do Godsmack em Auburn pelo festival Pain In The Grass, o show foi transmitido pelo site do yahoolive no dia 12 de Setembro. O setlist foi menor em comparação com shows anteriores pelo limite de tempo que a banda tinha no palco por causa da transmissão ao vivo.
1. Generation Day
2. Cryin’ Like a Bitch
3. Locked and Loaded
4. Keep Away
5. Awake
6. Speak
7. Voodoo
8. Batalla de los Tambores
9. Whatever
10. 1000hp
Encore:
11. I Stand Alone

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Fotos e vídeos do show em Texas pelo Uproar Festival

10/09/2014
Confira o show em Corpus Cristi, Texas, no dia 03 de Setembro pelo Uproar Festival. Destaque para o vídeo de Batalla de los Tambores.
1. Generation Day (vídeo)
2. Cryin’ Like a Bitch (
vídeo)
3. What’s Next
4. Locked and Loaded (
vídeo)
5. Keep Away (
vídeo)
6. The Enemy
7. Something Different
8. Straight Out of Line
9. Awake
10. Speak
11. Voodoo (
vídeo)
12. Batalla de los Tambores (
vídeo)
13. Whatever (
vídeo)
14. 1000hp (
vídeo)
Encore:
15. I Stand Alone

Show do Godsmack será transmitido pelo Yahoo Live

10/09/2014
O site da yahoolive irá transmitir o show do Godsmack pelo festival Pain In The Grass que acontece no dia 12 de Setembro, aqui no Brasil a transmissão ao vivo acontece no dia 13 as 02 da manhã. Para quem não conseguir ver o show ao vivo, o site exibe a reprise no dia seguinte.

Entrevista de Shannon Larkin para Examiner

10/09/2014
Confira a excelente entrevista que o site examiner fez com Shannon, na entrevista ele aborda curiosidades, de como foi gravar o ronco do motor do carro utilizado na intro de 1000hp, e além de ter aprendido a andar de moto só depois que entrou para banda.
 Tem sido mais de 15 anos desde que o Godsmack explodiu seu caminho para o topo da cena do metal com seu álbum de estréia auto-intitulado. Além de vários passeios headliners, Godsmack está agora liderando o seu terceiro festival de verão Rockstar Energy, retornando para o Uproar Festival 2014 e trazendo bandas como Skillet, Buckcherry e Escape The Fate com eles. 
 A turnê chega ao 1st Bank Center, em Broomfield próxima terça-feira, e o baterista Shannon Larkin foi bom o suficiente para falar comigo por telefone antes do grande show. Leia abaixo os seus pensamentos sobre o novo álbum 1000hp, festivais de metal do verão, e até mesmo um clássico do Dave Brockie. 

Examiner: Hey Shannon, como você está hoje? 
Shannon: Eu estou bem, obrigado. 

Examiner: Como está a turnê Uproar indo tão longe? 
Shannon: Vai bem! Nós só tivemos que cancelar um show até agora, na Pensilvânia. Mas todos os outros shows até agora tem sido ótimos, especialmente em Detroit, Cincinnati e Indianapolis ter sido incrível. 

Examiner: Você tem uma banda favorita na turnê? 
Shannon: Bem, se eu tivesse que escolher eu diria Seether. São kickass, grandes compositores. Grandes caras. Eu não tive a chance de ver um monte de bandas anteriores ainda porque estamos apenas na segunda, eu vi Pop Evil, Skillet, Buckcherry que eu amo. As pessoas sempre dizem "oh você gosta de tocar nos festivais ou shows headliners ou abertura, qual o seu favorito?" E eu sempre digo os festivais, porque quando eu cresci, não havia realmente festivais ainda. E eu não posso imaginar a pagar $35 ou $40 e chegar a ver 15 bandas. Então, eu acho que é uma grande coisa para os fãs. 

Examiner: Vocês são manchete do Uproar há alguns anos e, em seguida, Mayhem Fest após isso e agora você está de volta no Uproar, quais são as diferenças entre o Mayhem e Uproar? 
Shannon: Bem, o Festival Mayhem foi um festival de metal, heavy metal real. Você tinha Suicide Silence lá fora, Megadeth, Machine Head. E estes são todas bandas maneiras e mais pesadas do que essa turnê. Uproar é mais uma turnê de rock. A última turnê que fizemos foi com Shinedown, eles são também mais rock. Mas os mesmos caras executam os festivais, e eles criam uma atmosfera muito legal. 
Nos shows do Mayhem você tem mais jovens na platéia, mais agressivos que começam os mosh pits e slamdance na frente do palco. Uproar parece trazer uma multidão um pouco mais velha, você ainda ver as crianças lá fora, claro, mas death metal é mais para jovem. Gostaria de ir para um lado do palco para assistir Suicide Silence, que eu realmente gostei, e a multidão me lembrei de quando eu era criança assistindo Black Flag. 

Examiner: Dá esperança para GWAR também, certo? 
Shannon. Dave Brockie, descanse em paz. Meu irmão, meu amigo. Eu estava em uma banda punk chamada Amen anos atrás, e nós fizemos uma lendária turnê com o único GWAR, e foi uma loucura. Eu nunca vou esquecer, estávamos em Chicago neste clube punk, e Dave Brockie conseguiu ser expulso. E é o tipo de clube que você tem que fazer algo realmente confuso para ser expulso. Evidentemente, ele estava pulando de mesa em mesa, fazendo essa coisas de mergulho ele faz, e tudo o que disse "hey isso é Oderus Urungus, você não pode fazer lá fora" E eles disseram "oh bem", e deixá-lo então para trás.

Examiner: O novo álbum do Godsmack é 1000hp. Será que esse título vem organicamente ou foi uma escolha árdua? 
Shannon: Não, ele veio muito organicamente. A canção foi escrita e é uma faixa de energia bastante elevada, por isso, Sully era como "Isso é como 100 mil cavalos de potência!" E então ele veio com as letras, "transformar essa música mais alto," e 100.000 não se encaixava no ritmo. Então, ele era como "10.000 cavalos?" Não saia bem. Mas 1.000 cavalos de potência "1000hp" saiu muito bem. Mas é de 1.000 cavalos de potência que é radical? É o suficiente? Por isso, logo ao lado, a nossa sede em New Hampshire, bem ao lado do armazém em que estavamos, tem uma loja onde reconstroi muscle cars. Então fomos ao lado e perguntamos se 1.000 cavalos de potência era muito? Então eles disseram "sim!" Eles mostraram este vermelho cereja '68 Chevy Malibu, e era uma besta e tinha 1.004 cavalos de potência. E quando ouvimos aquela coisa, nós trouxemos os microfones em sua loja e gravamos, e esse é o carro que você ouve no álbum. Não foi uma amostra, registramos que 68 Malibu junto ao nosso estúdio. (abaixo a foto do carro)
Examiner: Isso me lembra, eu sempre quis saber sobre as motocicletas no vídeo de I Stand Alone. Eram aquelas as suas motos? 
Shannon: Essas foram as nossas motos. Eu não estava no vídeo, que foi bem antes Tommy deixar a banda e eu entrei, mas sei das motos. Acabei aprendendo a andar de moto quando eu entrei na banda, e eu aprendi com a moto do Sully, que ele estava andando no vídeo.

Examiner: Quando você está escrevendo as músicas, a música, a letra ou o título da música que vem primeiro? 
Shannon: 99% do tempo é a música. Todas as nossas músicas começam com o riff de guitarra. Você joga um riff matador em qualquer um de nós e nós podemos fazê-lo se transformar em uma canção em um dia. Mas é tudo sobre esse riff, você tem que ter esse riff. Tony e Sully sempre começam com o riff e foi muito rápido desta vez. Foi um período estranho após o álbum The Oracle, decidimos separar por um tempo e ter um ano de diferença, e é claro que nesse tempo Sully e Tony e eu estávamos escrevendo. O tempo passou, tudo o que fizemos alguns projetos paralelos, Sully fez um filme, porque ele gosta de atuar, e depois de cerca de um ano Sully nos chamou e disse: "Vocês querem tentar isso de novo?" Então nós dissemos sim, e dentro de duas semanas, tivemos 16 músicas em forma de esqueleto. Então, nós tivemos uma reunião e disse: "Vamos fazer isso." Fizemos um sede em Boston, onde poderíamos armazenar toda a nossa estrutura e ensaiar e gravar. Isso fez com que tudo vá mais fácil também, não havia pressão. O lugar que escrevemos o registro é o mesmo lugar que nós sentamos e gravamos. E nós fomos cercados por equipamentos do cenário de turnês anteriores e outras coisas, e isso realmente nos colocou dentro da banda novamente.

Examiner: Uma última pergunta, Shannon. Eu estava ouvindo vocês sendo entrevistados na rádio, o álbum saiu, e parecia que Sully estava saindo de sua maneira de chamar a banda de hard rock em vez de heavy metal. É algo que você conscientemente tentar fazer? 
Shannon: Não, e você perguntou muito também. Apenas sentimos que o heavy metal, que nós amamos e foram criados e tem um monte de retalhamento de leads de guitarra e contrabaixo na bateria, e não tanto a melodia em coros vocais. Então, quando essas novas músicas começaram a tomar forma em um presente, queremos torná-lo mais de um registro de punk rock. Nós todos amamos os Ramones, e crescemos ouvindo tanto punk rock como metal. Mas já que não estamos de punk rock, acabou soando mais hard rock para nós, mais AC/DC de que Metallica. Nós olhamos para o heavy metal, bandas como Avenged Sevenfold que têm ataques de guitarra dupla e um cantor que geme e canta bem alto. E olhamos para nós, e nós, obviamente, têm facetas da música do metal pesado, por causa do tom na guitarra. Nós definitivamente temos de metal em nosso som, mas quando nos comparamos a outras bandas que são rotulados de metais pesados​​, como o Volbeat ou Five Finger Death Punch ou Avenged Sevenfold, que me sinto como mais uma banda de hard rock. Mas isso não significa que não amamos o heavy metal, e se alguém nos pergunta sobre estar em uma banda de heavy metal, não dizemos "nós não somos heavy metal." Mas nós somos tipo de uma mistura por ela, o caminho que ainda estamos perplexos pela forma como as pessoas há 15 anos depois ainda dizem que soa como Alice In Chains. Eu sou um grande fã de Alice In Chains, e eu simplesmente não ouvir as semelhanças. É o tipo de coisa que me faz coçar a cabeça. Estamos no heavy metal mas soa como Alice In Chains? Estranho!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Ouça Turning To Stone versão acústica

04/09/2014
 A música do novo álbum do Godsmack, Turning To Stone, está na trilha sonora da 4º temporada de The Walkind Dead, porém na versão inédita acústica, confira aqui. Shannon Larkin que é um grande fã desta série mundialmente famosa, fala de como foi receber o convite. "Quando pediram para fazer parte da trilha sonora de The Walking Dead, todo mundo banda gritou SIM!. Sou grande fã de todas as coisas de horror, não tem que chegar muito longe para que possa sentir essa assombração e liricamente a faixa que captura a emoção e drama desta grande série". Re-escrita exclusivamente para The Walking Dead, Turning To Stone destina-se a dar ao ouvinte arrepios profundos e o alimento para o pensamento das emoções reais que se pode experimentar no rescaldo de um apocalipse zumbi. The Walkind Dead Songs of Survival vol.2 já está disponível para compra.